Retomando as atividades presenciais pos pandemia: Um aprendizado para a Vida


Dando continuidade ao projeto formativo: “Retomando às atividades presenciais pós pandemia: Um aprendizado para a Vida”, realizamos no último sábado (27/06) um webinar com o Prof. Fernando Guidini (Diretor Acadêmico do Medianeira-RJE) que falou sobre “A Companhia de Jesus e o Direito Universal a uma Educação de Qualidade”. Contamos com a presença de educadores de várias unidades educativas da Rede Jesuíta de Educação experimentando este momento.

Dentre os vários elementos apresentados na fala do professor Fernando Guidini ressaltou-se o cuidado com os aspectos da Pedagogia Inaciana que têm como base para o seu fazer, cinco passos essenciais: o contexto do qual provêm nosso educandos, a experiência proporcionada pela escola e vivenciada por cada um deles, a reflexão que se faz sobre as vivências e ensinamentos, as ações que partem de cada realidade e por fim uma avaliação de tudo isso com a finalidade de orientar as ações que virão.

O professor Lucas Emanoel nos proporcionou um relato sobre sua experiência:

“Em minha missão, o que mais tem me animado nesses tempos é a relevância do trabalho que fazemos. Principalmente na perspectiva socioemocional de um ensino que prepara o aluno para as situações da vida. Nesse sentido a ESAR é pontual, pois enquanto RJE visualizamos a formação integral do estudante.

A formação com o Professor Fernando nos dá a certeza de que temos orientações fundamentais que são válidas para o enfrentamento à situação atual, a exemplo os documentos da RJE. Esses documentos se fazem pertinentes ainda mais nesse momento, com destaque ao PEC.

De maneira geral, a fala do professor nos coloca como seres abertos aos novos ensinamentos, sem, contudo esquecer qual é nossa missão apostólica. Nosso fazer pressupõe uma pedagogia específica, a pedagogia inaciana, e nesse sentido prosseguimos, esperançosos por dias melhores, para isso, estamos nos adaptando e mudando constantemente, a fim de sermos cada vez melhores enquanto cidadãos globais, com uma atuação local. A gratidão nos invade, pois sabemos que não estamos sozinhos, em cada parte do país, em diversos lugares do mundo, o sentimento é um só: doação.”

Fernando Guidini lançou mão de diversos documentos próprios da Companhia de Jesus que servem como base para o nosso fazer educacional e ainda ressaltou que “a educação da Companhia de Jesus é uma educação que se constitui visando sempre a excelência e integralidade da pessoa”.

Olhando para a filantropia a Companhia de Jesus ainda diz que: Um colégio jesuíta, em resposta à Preferência Apostólica Universal de caminhar junto aos pobres e descartados, deve integrá-los ao ambiente escolar como companheiros de estudo, como seres humanos com igual dignidade. Comunidades vulneráveis e marginalizadas devem se tornar parte de nossos colégios para nos ajudar no caminho da promoção da justiça social e da mudança das estruturas econômicas, políticas e sociais que geram injustiça. (Colégios Jesuítas: uma tradição vida no século XXI, 2020, P. 75)

Comente!